Capítulo “Anjos da Guarda”

Os “anjos da guarda” são aqueles que, não podendo estar fisicamente presentes nos três dias da peregrinação, querem realizá-la espiritualmente. Muitos queriam fazer esta rota, mas não têm possibilidade por várias razões: doença, idade, obrigações profissionais, distância, etc.

Como ser peregrino à distância?

A Igreja ensina-nos que, na comunhão dos santos, «nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo.» (Rm 14,7). «Deste modo, se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro é honrado, todos os membros se alegram com ele. Vós sois corpo de Cristo e seus membros, cada um por sua parte.» (I Co 12, 26-27).

Os mais pequenos dos nossos atos, feito com caridade, torna-se benéfico para os outros membros. Além disso, unidos a Cristo, podemos «merecer para nós mesmos e para outros, as graças úteis para a santificação e para o aumento da graça e da caridade, bem como para a obtenção da vida eterna.» (CIC 2010).

Assim, através da comunhão dos santos, as orações e sacrifícios realizados pelos «anjos da guarda», onde quer que estejam, e unidos pela caridade a Nosso Senhor Jesus Cristo, obterão novas graças para a coluna de peregrinos, os quais, atrairão novas graças para os “anjos da guarda”. Esta reciprocidade faz dos «anjos da guarda» verdadeiros peregrinos a Covadonga.

A quem se dirige o convite ao capítulo dos «anjos da guarda»?

Dirige-se a todos aqueles que não possam estar presentes fisicamente nos três dias de peregrinação ou não a possam fazer por outros motivos.

Nos «anjos da guarda», incluem-se religiosos e religiosas, pais das crianças peregrinas, enfermos, pessoas impedidas de fazer o trajeto pela idade… Resumindo, todos aqueles que se veem impedidos pelos deveres de estado de vida ou pela sua condição física.

Porque fazer a peregrinação dos «anjos da guarda»?

Nestes tempos em que o catolicismo é atacado tão diretamente, urge aumentar e intensificar a oração e o sacrifício. As orações dos «anjos da guarda», unidas às da coluna de caminhantes, subirão ao Céu implorando por misericórdia, intercedendo pela Igreja e por nossa sociedade, convertendo os corações e as almas, e fazem cair as graças da peregrinação sobre todos.

Como fazer a peregrinação dos «anjos da guarda»?

Os «anjos da guarda» peregrinos terão compromissos simples, claros e adaptados à sua situação: rezar diariamente a oração do peregrino e o Santo Terço/Rosário (ou outra devoção mariana), e tempo de meditação, para a qual proporemos seguir as meditações do Livro do Peregrino. A isto, poderão acrescentar, em função das possibilidades de cada um, a Missa, confissão, alguma obra de caridade ou ato de reparação, etc.

Os «anjos da guarda» receberão via e-mail o Livro do Peregrino, e assim poderão ler as mesmas meditações dos caminhantes. Rezarão pelas intenções da peregrinação, e poderão também confiar as suas intenções às orações dos caminhantes.

Localmente, poderão por iniciativa própria reunir-se e rezar juntos, numa igreja ou nas suas casas.

Inscrição da «anjo da guarda»