Capítulo “Anjos da Guarda”

Os “anjos da guarda” são aqueles que, não podendo estar fisicamente presentes nos três dias da peregrinação, querem realizá-la espiritualmente. Muitos queriam fazer esta rota, mas não têm possibilidade por várias razões: doença, idade, obrigações profissionais, distância, etc.

Como ser peregrino à distância?

A Igreja ensina-nos que, na comunhão dos santos, «nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo.» (Rm 14,7). «Deste modo, se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro é honrado, todos os membros se alegram com ele. Vós sois corpo de Cristo e seus membros, cada um por sua parte.» (I Co 12, 26-27).

Os mais pequenos dos nossos atos, feito com caridade, torna-se benéfico para os outros membros. Além disso, unidos a Cristo, podemos «merecer para nós mesmos e para outros, as graças úteis para a santificação e para o aumento da graça e da caridade, bem como para a obtenção da vida eterna.» (CIC 2010).

Assim, através da comunhão dos santos, as orações e sacrifícios realizados pelos «anjos da guarda», onde quer que estejam, e unidos pela caridade a Nosso Senhor Jesus Cristo, obterão novas graças para a coluna de peregrinos, os quais, atrairão novas graças para os “anjos da guarda”. Esta reciprocidade faz dos «anjos da guarda» verdadeiros peregrinos a Covadonga.

A quem se dirige o convite ao capítulo dos «anjos da guarda»?

Dirige-se a todos aqueles que não possam estar presentes fisicamente nos três dias de peregrinação ou não a possam fazer por outros motivos.

Nos «anjos da guarda», incluem-se religiosos e religiosas, pais das crianças peregrinas, enfermos, pessoas impedidas de fazer o trajeto pela idade… Resumindo, todos aqueles que se veem impedidos pelos deveres de estado de vida ou pela sua condição física.

Porque fazer a peregrinação dos «anjos da guarda»?

Nestes tempos em que o catolicismo é atacado tão diretamente, urge aumentar e intensificar a oração e o sacrifício. As orações dos «anjos da guarda», unidas às da coluna de caminhantes, subirão ao Céu implorando por misericórdia, intercedendo pela Igreja e por nossa sociedade, convertendo os corações e as almas, e fazem cair as graças da peregrinação sobre todos.

Como fazer a peregrinação dos «anjos da guarda»?

Os «anjos da guarda» peregrinos terão compromissos simples, claros e adaptados à sua situação: rezar diariamente a oração do peregrino e o Santo Terço/Rosário (ou outra devoção mariana), e tempo de meditação, para a qual proporemos seguir as meditações do Livro do Peregrino. A isto, poderão acrescentar, em função das possibilidades de cada um, a Missa, confissão, alguma obra de caridade ou ato de reparação, etc.

Os «anjos da guarda» receberão via e-mail o Livro do Peregrino, e assim poderão ler as mesmas meditações dos caminhantes. Rezarão pelas intenções da peregrinação, e poderão também confiar as suas intenções às orações dos caminhantes.

Localmente, poderão por iniciativa própria reunir-se e rezar juntos, numa igreja ou nas suas casas.

Si lo desea, puede colaborar con una ayuda económica.

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email